logotipo
CONTATO
Canal da CBTE no Youtube   Fanpage da CBTE no Facebook   Procura no site   Perguntas Frequentes
21/07/2020
Matéria veiculada no Fantástico foi tendenciosa e faltou com a verdade
imagem
No ano em que o Brasil deveria comemorar e noticiar efusivamente o centenário da conquista de suas primeiras Medalhas Olímpicas (ouro, prata e bronze) em todos os esportes, cujo notável feito foi através do Tiro Esportivo, o que se observa é uma campanha demeritória com profundo desrespeito aos seus praticantes.

A matéria em questão transmitida pela Rede Globo, no Fantástico de 19 de julho, tentou associar os termos "atirador esportivo" e "CAC", com o uso de armas em crimes, com a violência ou com fatalidades, tentando assim, denegrir e macular a imagem dos atiradores esportivos de todo o Brasil.

O que se esperava era que a matéria permitisse, com isenção, que os dois lados da questão sobre o armamento da população, seja para o esporte, para defesa, ou para caça, tivessem as mesmas oportunidades para expor seus argumentos e opiniões. Mas não foi isso que aconteceu! Apreciando-se o vídeo disponível em www.g1.globo.com/fantástico, é possível verificar que a matéria teve 17 minutos de transmissão e contou com o depoimento de um pesquisador, de uma consultora, de um sociólogo, de um presidente de instituto e de dois ex-ministros de estado da Segurança Pública, todos falando livremente contra as armas, tudo para corroborar a opinião de uma emissora, que, historicamente, é e sempre foi contra as armas. Esse mesmo comportamento, de duvidosa boa-fé, foi o mesmo por ela utilizado quando do Referendo Popular de 2005, cujo resultado colocou à mostra o sentimento da esmagadora maioria do povo brasileiro, contrária ao nefasto “desarmamento” orquestrado pela Rede Globo, sabe-se lá, com que objetivo.

No outro lado da história foram ouvidos apenas o Vice-Presidente da Confederação Brasileira de Tiro Esportivo, Jodson Edington e o Deputado Federal Capitão Augusto, da Frente Parlamentar.

Quando fomos convidados para participar da reportagem, enviamos nosso Vice-Presidente, pessoa altamente preparada e conhecedora do Tiro Esportivo e dos meandros que envolvem o controle por parte do Exército Brasileiro, das Leis, das necessidades das entidades esportivas, pois já transitou como dirigente nas mais diversas esferas do esporte, sem falar da longa carreira de 40 anos como atleta de alto rendimento.

A CBTE achava que poderia contribuir com mais informações para o público brasileiro, que tem se mostrado diferente do que tenta falar a matéria, interessados pelo esporte e pelo uso das armas como proteção. Jodson concedeu à jornalista da emissora, uma entrevista que durou 20 minutos, ou seja, 1.200 segundos, dos quais foram "selecionados" apenas 23 para ser exposto em cadeia nacional, e, assim, mesmo, fora do contexto da entrevista original. O Capitão Augusto teve 32 segundos concedidos para suas falas, o que totalizou apenas 55 segundos, contra os mais de 16 minutos (974 segundos) usados para denegrir a imagem de pessoas do bem.

O conteúdo e direcionamento, totalmente tendenciosos, juntamente com os dados estatísticos analisados da reportagem do Fantástico, tudo com indisfarçável arrogância, indignam toda a comunidade do Tiro Esportivo brasileiro. Vale aqui uma observação: Mais perigoso e devastador do que uma arma na mão, mesmo que na de um bandido, é um microfone na mão de jornalistas mal intencionados!

Uma reportagem desta natureza para pretender ser considerada séria e isenta, deveria ter levantado dados estatísticos do envolvimento dos CACs e dos cidadãos com posse de armas, com possíveis crimes que porventura tenham ocorrido com as armas destes.

Órgãos Estaduais de Segurança Pública, a Polícia Federal e o Exército Brasileiro têm todas as condições de fornecer os dados estatísticos, RELEVANTES E VERDADEIROS, que interessariam à sociedade brasileira e que demonstrariam a realidade que a reportagem deveria apresentar.

Por tais motivos, a Confederação Brasileira de Tiro Esportivo vem a público para, de forma veemente, manifestar o seu repúdio àquela odiosa matéria, a qual ofendeu e desrespeitou, indistintamente, a honra e a dignidade de todos os praticantes do Tiro Esportivo no Brasil.

Durval Balen
Presidente da Confederação Brasileira de Tiro Esportivo
por: CBTE